Pular para o conteúdo principal

Teu colo

Corro para ser acolhido em Teu colo sem precisar embriagar- me com o vinho do moralismo. Não é necessário maquiar-me com o pó do ritualismo, tão pouco adornar- me com o legalismo, pois sei que me aceitas como sou. Quero Teu colo, necessito dele, porque desejo ouvir tua voz mansa e suave.
Para estar no Teu colo preciso esvaziar- me dessa construção de um deus justiceiro e impiedoso que fizeram em mim; preciso esvaziar-me do passado que me oprime dia e noite e ser cheio de confiança que me dá a certeza que sou aceito por Ti. Não importa o que disseram, dizem e dirão sobre mim, pois sei que a última palavra vem de Ti e dizes: “meu filho, não temas, pois mesmo não merecendo meu amor eu te escolhi para amar-te sempre mais e mais”.
Teu colo é meu abrigo secreto, ou melhor, é meu oásis em meio a este deserto existencial que nem sempre está fora de mim, mas quase sempre dentro de mim. Quando estou nEle, não preciso nem falar, pois me ensinaste que a melhor oração não é fruto de um prolongado trabalho intelectual feito à noite ou de meditação  humana, mas apenas amar a mim, o meu semelhante e a Ti.
Em Teu colo a minha alma cansada deseja descansar, para não andar perdida e cambaleante; eu me vejo como sou diante de Teu misericordioso espelho gracioso que me leva ao quebrantamento. Não quero ser fruto de um grupo alienado que fala de Ti e em Ti, mas por Ti não vivem, até se parecem com zumbis.
Dá-me colo meu Paizinho, pois não quero ser consumido pela ansiedade de uma busca incessante; quero ser saciado pelas águas que jorram do Teu coração. Peço-te que me ajudes a dar colo, ou mesmo ombros a todos que trilham esta jornada de volta para casa. Sei que a jornada não é fácil, mas o que me deixa esperançoso é que logo estarei em meu Lar, com meu Pai e meus irmãos, mas enquanto isso não acontece, quero trazer pra cá esse ambiente harmonioso de paz, amor, alegria e comunhão. E para isto, peço-te, ajuda-me a amar-te pelo que és, pois estou cansado deste “evangelho” dos holofotes midiáticos que proclamam um amor pelo que podes dar, ou seja, um amor que seja bom pra mim. A este eu exorcizo e clamo de todo coração: “nunca deixes entrar em meu coração”. Assim, suplico- te para que estando no Teu colo, Tu possas conceder- me a graça de acolher outros, como sou acolhido por Ti, de modo que não veja outros, mas apenas um só corpo em Ti.

NEle, que nunca nega Seu colo e sempre nos acolhe.

Daniel Lima - Um discípulo no Caminho.
---
O Caminho é uma pessoa e seu nome é Jesus!
Graça, bondade, paz, perdão e amor...
Que assim seja nosso caminhar!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma Carta Diferente

Certo dia escrevi a seguinte carta: “Estou inconformado com a vida, já não sinto alegria, nem prazer em viver. Penso sempre em você e gostaria de ter certeza do seu amor por mim, pois às vezes me sinto abandonado na solidão. Falo com você, mas você não me diz nada. O que houve? Há algo errado? Foi alguma coisa que eu fiz ou disse? Por favor, me diga, preciso muito saber, você me ama? Se ama me dê uma prova do seu amor por mim”. Selei a carta e enviei. No dia seguinte já fiquei de prontidão aguardando ansiosamente o carteiro. Cada dia que se passava parecia que a ansiedade tomava conta de todo meu ser. Nestas minhas esperas diárias me indaguei: “Até que ponto esse amor que sinto é verdadeiro?”. O carteiro sempre entregava as cartas ao entardecer, quando o sol começava a se pôr. Os dias foram passando e sempre fazia a mesma pergunta ao carteiro: “Tem alguma carta pra mim hoje?”. Ele com um sorriso no rosto respondia: “Deixa eu ver... não, não tem carta para você”. Quanto mais os dias s…

Simplicidade

Ama a simplicidade
Ama a vida
Ama a poesia
Ama as coisas que dão alegria
Ama a natureza e a reverência pela vida
Ama os mistérios
Ama Deus.
(Rubem Alves)

Cada vez mais em nossos dias aumenta a paixão pelos bens materiais. Afinal de contas, bens simbolizam status e lamentavelmente na maioria das vezes somos definidos e valorizados pelo que temos e não pelo que somos. Para muitos a vida ideal está no acúmulo de bens e o que predomina é aquela frase: “quanto mais melhor”. Então, vivemos esse frenesi, um ativismo intenso, uma verdadeira corrida de ratos para conquistarmos e acumularmos cada vez mais. Corremos, corremos, mas não estamos satisfeitos, queremos sempre mais e para realizarmos esse desejo vivemos uma acirrada competição fora e muitas vezes dentro de casa também. Viver assim não é apenas  angustiante como também gera uma grande ansiedade e parece não haver fim para isto.
Penso que a solução para isto é um retorno à simplicidade, pois ela nos liberta dessa obsessão e nos traz equilíbrio…